segunda-feira, 4 de abril de 2011

Coleirinhas e mochilinhas: a polêmica!

Me lembro da minha primeira viagem para a Disney e do horror que me causou, ainda uma criança, as tais coleirinhas que os pais prendiam nos filhos e saiam conhecendo os parques temáticos.

Pelo menos 20 anos se passaram e me vejo acompanhando toda a polêmica das coleirinhas, hoje chamadas de “mochilinhas”. Elas ficam presas nas costas das crianças, podem ser de bichinhos e delas saem o elástico que os pais seguram.

Como um aquecimento para a blogagem coletiva, parênteses: (não tá sabendo? Vai rolar uma blogagem coletiva nessa sexta feira, dia 8 de abril! O tema é “Maternidade Real”, dá uma olhada no post da Carol que tá tudo explicadinho lá. Já aderi, quem mais topa??) fecha o parênteses e volta ao assunto: sempre me imaginei com uma família grande, vários filhos, escadinha mesmo, circulando mundo a fora. Os muitos filhos em escadinha eu já tenho, mas circular por aí, não é fácil, não.

Eles não saem mais em carrinhos de bebês, vão andando sozinhos de mãozinhas dadas. Mas, eu não tenho 3 mãos, infelizmente. Nem que eu tivesse, resolveria, afinal como faz para pegar a carteira dentro da bolsa e pagar o sorvete? E depois como abrir os picolés de cada um deles? E se alguém sai correndo para ver alguma coisa muito interessante? (Criança é um serzinho curioso que só vendo...). E se alguém se perde numa multidão de aeroporto?

A mochilinha me parece uma solução possível. Eu preciso sempre da companhia de alguém se quiser ir tomar sorvete na padaria da esquina com os meus 3 filhos. Ás vezes, eu posso não ter a companhia. Ás vezes, eu posso não querer a companhia de ninguém, só deles 3. Mochilinha neles??? Ou ficamos em casa morrendo de vontade de tomar sorvete?

Os pontos negativos levantados por alguns psicólogos não me convencem de que a mochilinha é um mal negócio. Também sou psicóloga e não acho que é esse acessório que vai causar males à criança por distanciá-la dos pais ou por não ensiná-la limites e o que é certo e errado. Tudo isso se ensina em muitas outras situações cotidianas, contato com os filhos é dia-a-dia. O que tem uma base sólida e bem estruturada na questão da educação não será “destruído” com o uso da tal mochilinha.
Ou você acha que deixar um bebê numa cadeirinha vibratória enquanto você lê os seus emails é muito diferente? E carregar o filho num canguru nas costas para ter as mãos livres pode?

Eu não tenho as mochilinhas, mas quando encontrar, compro logo três, feliz da vida e saio sozinha por aí desfilando os meus filhos.

Como disse a sábia Paula em um sábio post: “vergonha para mim é perder filho!”

*****

Agora, se você chegou até aqui e não quer saber de polêmica, dá uma olhadinha na reportagem de capa do Estadão de ontem que contou com a minha participação, a desse bloguinho que vos fala e dos meus filhotes em escadinha. (Atenção às fotos: escadinha mesmo!).

Compartilhar

45 comentários:

Sandra Hellen disse...

Então...primeiramente parabéns! Li a matéria que saiu no Estadão!! Super!!
Quanto a coleirinhas e mochilinhas, bem...nunca havia pensado em usar, até pq só tenho um filho que por enquanto não anda...entonces!!! Mas, como mãe e psicóloga não vejo "trauma" nenhum em usar..
Com certeza é muito melhor "encoleirar" as crianças do que perde-las!

Beijos ILUMINADOS

Mãe de Duas disse...

Acho triste esse pessoal que condena (o uso) logo de cara sem nem antes perguntar: você tem mais mãos ou mais filhos?
Eu estou empatada no número de mãos e de filhos, mas usaria sim, em situações tipo ter de fazer supermercado com as crianças.
Como contei lá na Paula, comentei essa minha posição num desses blogs e recebi uma resposta que continha as palavras "maternidade preguiçosa" e "arranjar soluções criativas para sair com os filhos". E daí, a gente volta de novo naquele seu post genial de bullying materno...
Bjs
Priscilla

Gisele Fiedler disse...

Oi minha querida!!!
Concordo com vc, lendo seu e-mail só reforça o que eu sinto e senti ontem mesmo ao ir buscar meu marido de uma viagem de trabalho que durou 15 dias, meus filhos estavm eufóricos em ir buscar o papai. E lá fomos nós em pleno domingo as 4 da tarde (Cumbica -Guarulhos-SP), e a maratona não é fácil. ´Vôo chegou no horário, mas até pegar as malas e sair, leva aí 1 ou 2 horas e nós mães lá fora naquela multidão, dá cede, dá fome, quer um suco ou outra coisa e eu tenho 2 filhos, Luiza de 6 e Pedro de 2!!!
Resumindo: Um domingo que cheguei em casa dando Graças a Deus de estar em casa com minha família, pois é cansativo e preocupante o lugar cheio e vc tendo que ter 3 olhos, um em cada filho e outro vendo onde está o marido.

Um beijo e ótima semana.
Gi

Carol Garcia disse...

sou a favor da mochlinha, camilitcha...
ma ainda levo muitops olhars de reprovação, inclusive do maridex, por pensar na possibilidade de emmochilar o isaac numa proxima viagem.
ele é um só, concordo. e eu nem sei como seria com 3 filhos, mas tem horas que a gente não é polvo o suficiente pra cuidar do filho, da compra, do dinheiro, do transito e do paseeio todo.
bjocas e parabéns pela articipação no estadão.

Thais Scavassa disse...

Oii, amei a reportagem e a foto ficou linda, acho os 3 a sua cara, muito fofinhos..
Sobre as mochilinhas confesso que fiz o mesmo que você, quando fui a disney (apenas 10 anos atras..) e ví as crianças nas mochilinhas tambem me assustei, me passou a ideia de cuidar do filho como cachorro, mas hoje vendo que uma criança realmente desobedeçe, da suas escapadas e sai correndo, imagina com + de 1 filho??, eu não arriscaria e teria sim a mochila, acho uma otima soluçao, é melhor do que perder o filho.
Bjus

Renata disse...

Eu sou super a favor. Dá liberdade e segurança pra família inteira, que mal pode existir nisso?? Meu marido e seus irmãos usaram quando criança e não tem ninguém com síndrome de cachorro por lá, rs.
Bjs

Karin Petermann disse...

Ahhh eu já vi essas mochilinhas... sinceramente eu achei o máximo!

Bem mais fácil de controlar e quando eles não querem dar as mãos pra passear, pelo menos não saem muito do nosso controle e ficam felizes da vida pensando que tem a sua liberdade!!!!

Beijos

Karin - @karinpetermann
www.mamaeecia.com.br

Simone disse...

Eu já tive que viajar com meu filho sozinha... na época com apenas 3 anos... e passar por 3 aeroportos na ida e 3 na volta. Não conhecia a tal mochilinha ainda, mas tinha a "coleirinha" para mão da marca Safety (encontrada facilmente nos EUA)... não machuca não... eu testei em mim... e também não saí pelo aeroporto com meu filho feito cachorro... ele na frente e eu lá atrás... era somente uma segurança de que na hora de eu fazer check-in por exemplo, ele não sairia correndo, ou na hora que eu fosse pegar a carteira para pagar pelo suco, alguém levasse a criança. Usei sim, muita gente ficou olhando... talvez alguns condenando, mas confesso que uma senhora me parou para perguntar onde eu havia comprado. Concordo com quem disse que vergonha é perder um filho. Só quem é mãe mesmo sabe. Neurose? Pode ser, mas eu prefiro chamar de precaução! Ah, e eu sei onde as tais mochilinhas podem ser encontradas: http://loja.tray.com.br/loja/catalogo-60543-111-1__harness_buddy
Beijos.

Beta, a mãe disse...

Bah Camila, esse povo não sabe mais com o que implicar! Outro dia a Bia sumiu no clube e meu coração veio até a garganta imagina no aeroporto ou na rua. Deus me livre! Eu compraria a tal mochilinha sem pestanejar. Beijos

P.S: Adorei a matéria.

Jemima disse...

Já contei isso no Vizinhos de Útero. Mamãe me contou que quando (eu e minha irmã gêmea) tínhamos 5 ou 6 anos, ela nos levou à feira. Com uma mão, ela segurava minha irmã e com a outra, segurava o carrinho de compras. Parece que faltou mão para me segurar e ela me perdeu de vista. Eu vivia meio distraída mesmo. Não acho que ela foi negligente. Depois, uma pessoa conhecida me encontrou meio perdida e me levou pra casa. Mamãe sentiu uma terrível culpa por isso. Bjo, Jê.

marta.haddad disse...

Camila linda, minha filha já tem 12 anos, mas se na minha época tivesse a tal da mochilinha, coleirinha, ou até uma cordinha pra andar no meio de multidões eu compraria! Se tivesse mais de um filho então....
Eles ficaram tanto tempo amarrado à nós pelo cordão umbilical, que nem perceberiam a diferença! Tudo o que é feito com amor, PODE! bjssssssssssssss

Jackie disse...

oieeeeeeeeee... amei a postagem... sabe esses dias estive pensando nisso, eu só tenho 1 filho e ele está comçando a andar, e to pensando muito nessa parte das mochilinhas, por que ele quer ficar no chão, mas não tem firmesa... e não dá pra deixar ele ficar batendo a cabeça sempre que escapar a perninha ou coisa assim ... então to namorando as mochilinhas.


PS: se puder da uma passadinha no meu cantinho ( dar ou não ovos de páscoa na 1ª páscoa do bebê?)

Sara Lima Saraceno disse...

Bom, minha opinião sobre esse assunto é que falta um pouco de RESPEITO à opinião e conduta do outro... acho genial a idéia das coleirinhas e não teria escrúpulos de usá-la se saísse em multidões... No entanto, como só tenho uma única cria, até o momento, não vejo necessidade.
Acha horrível? Não use! Acha legal? Use! Simples assim... não existe certo e errado nessa questão; o que existe é a conveniência da mãe, que tem que se sentir segura e feliz de sair com seus filhotes!
Bjo
http://www.vivendoavidacomoelaeh.blogspot.com/

Roteiro Baby disse...

Mais um exemplo de preconceito, Ne!? E fácil julgar uma mãe que não abre mão de facilidades ate chegar a sua vez de precisar daquilo. Eu mesma já achei um absuuuuurdo isso ou aquilo antes de ser mãe e agora que a maternidade e real, não julgo mais ninguem.

Dê Freitas disse...

Cá....entrei aqui para te dar os parabéns pela participação na matéria, que eu achei o máximo. Abordou de forma bem coerente esse cyber universo. E sua participação colaborou para mostrar o que realmente nós mamães procuramos ao criar um blog. Fantástico.
Além do que, eu sisinti e dizia ao maridão: Nossa, é a "Cá", minha amiga de blog...akakakaka...a mais íntima. Mas é assim que a gente se sente quando começa a acompanhar despretensiosamente um blog e logo se vê comentando o post de uma amiga virtual, se preocupando com algo que ela falou do filho ou rindo das pérolas (como já aconteceu várias vezes com as pérolas da sua Manu).

Quanto a essa mochila...menina, nem sei como é isso...vou procurar pra ver, rs. Sabe, antes de ter a Manu, via mães andando com filhos de 3 anos no carrinho e achava um absurdo. Daí uma vez comentei isso com uma amiga que tinha uma filha nessa idade e ela disse: Ai Dê, mas vou te contar uma coisa. Sair com uma criança de 13, 14 quilos pra fazer compra e lá pelas tantas eles cansam e querem colo. Não dá pra carregar tudo. Eu tb uso o carrinho nessas horas. Daí pensei: Caraca,é mesmo. Olha eu pré julgando.

Mariana - viciados em colo disse...

vixemaria! concordo totalmente com você, camila.

fui a inglaterra em 1996 e trouxe um acessório destes para uma amiga grávida e ela se ofendeu. me poupe!

também não uso porque até "anteontem" eu só tinha uma filha super comportada e obediente. agora com meu bebê crescendo e sendo muito mais ativo, curioso e "surdo", não vou hesitar em adquirir a minha!

#vergonhaéperderofilho

beijoca

Vanessa Cavasotto Leite disse...

Mesmo antes de pensar em ter filhos eu já achava a coleirinha/pulseiribha/mochilinha uma ótima solução pra andar com crianças na rua, em shopping, supermercado etc. Eu tenho 2 mãos e 1 filho e assim que ele andar vou providenciar a minha. E ai de quem torça o nariz que eu mando manucu rs!
Um casal de amigos recentemente levou um susto no Iguatemi em Porto Alegre q poderia ter sido uma oportunidade p azar, mas graças a Deus teve final feliz. Num piscar de olhos o Guilherme sumiu e eles desesperados o encontraram na loja da frente. Teriam passado sem essa se o Guilherme estivesse amarradinho!
Todo acessório q facilita a vida dos pais e aumenta segurança p filhos é bem vindo!
Beijos
Nessa @nessadobeto
www.babydanessaedobeto.blogspot.com

chris disse...

Camila,
parabéns pela participação na matéria do Estadão. Ficou bem legal!

Olha, sou super a favor das coleirinhas, usei e aprovei. Se é bom com um e com escadinhas, imagina com trigêmeos! Já não uso mais porque não tem mais necessidade. Mas foram super úteis, sim.

Falei delas algumas vezes no blog aqui

http://tresmosqueteiros.wordpress.com/2009/12/10/mochila/

e aqui

http://tresmosqueteiros.wordpress.com/2009/11/21/coleira/

Pena que dei as minhas, se não tivesse dado, passaria para o seu trio. Eram muito fofas: um leãozinho, um ursinho e um macaquinho. Tem gente aí que iria adorar o macaquinho, né?!

bjinhossss

chris e mosqueteiros

Patricia Netto disse...

Estão lindos na reportagem!! Adorei!!
Beijos

(Mamãe) ~Pinel disse...

Eu já achei em vários lugares dessa mochilinha vendendo, mas nunca tive interesse em comprar. Eu não sei se vou usar com a Lara quando ela crescer, a não ser que seja necessário. Não julgo quem usa, e acho que é isso o que você falou: quem são essas pessoas para julgarem se isso é bom ou mal. Cada uma sabe o que é melhor para ela e para o filho. ô Polêmica mesmo!

Tem selinho pra você lá no blog.
Beijoo!

May Ishii disse...

Eu não sei porque rola tanta discussão sobre isso. Eu morei no Japão um tempo, e lá as coleiras são utilizadas sem nenhum problema. Isso porque é um país onde o índice de roubos, assaltos e sequestros é bem menor do que no Brasil. E onde a educação prevalece, pois quando uma criança vai atravessar a rua, basta que ela levante o braço e todos os carros param pra ela atravessar.

Se num país assim como o Japão, o uso é feito, por que não seria no Brasil? Um país muito mais pergiso, onde não existe respeito nenhum no trânsito e as taxas e índices de criminalidade são bem maiores.

Eu sinceramente, quero acreditar que essa discussão que vem se estendendo desde o começo do ano passado, esteja sendo baseada apenas em argumentos de NÃO-MÃES, porque Mamães de verdade, preferem mil vezes usar uma GUIA (porque isso não chama coleira, isso chama GUIA. Coleira é o colar que vai em volta do pescoço, e nesse caso, não existe coleira), do que perder seus filhos ou até mesmo, dar oportunidade a um acidente, como já aconteceu 2 vezes, no quarteirão de cima da minha casa. A criança soltou a mão da mãe, e saiu correndo pra rua pra pegar uma bolinha. O CARRO TAVA VINDO, NÃO DEU TEMPO DE FREAR E O MENINO MORREU. A mãe ficou 3 ANOS de luto.

Então eu pergunto, onde é que está o problema de usar uma GUIA pra PROTEGER seus filhos?

Sobre o blog, devo dizer que estou apaixonada pelo seu cantinho Camilla, parabéns! Sem contar que seus pequenos são adoráveis!

Mil beijos!!!

May Ishii
http://studiomayishii.blogspot.com

flavia bandeira disse...

Olá. Sou totalmente a fovor das coleirinhas, mochilinhas, pulseirinhas, seja lá o que for. Como sempre tive minhas neuroses antes de engravidar, sempre saia com os filhos das minhas primas, sempre disse que compraria uma para o meu filho. Hoje ele tem 2 anos e meio e eu acabei não comprando, até porque meu marido sempre teve horror. Mas no segundo filho com certza vou comprar, pois gosto de sair e não quero correr riscos.

Priscila disse...

Fui para a Disney com minhas crianças e as carregava com aquela coleirinha de pulso (bem menos fofa que a mochilinha...). E ó eu pros olhares tortos, ó.

Parabéns pela matéria do Estadão! A foto ficou linda.
Beijo.

Mari Hart disse...

Eu sou total a favor!!!!!! Usei há 10 anos atrás a coleira de pulso com minha filha Stella que era uma criança hiperativa terrível! Hj com os 3 filhos, eu usaria de novo sem problemas se fosse preciso.

Stella está uma pré adolescente mais calma, Leo fica na cadeira de rodas, dali não foge, kkkk e Pedro é um amor de menino super obediente, mas se necessário eu nem pensaria 2x antes de comprar!

Eu hein...pura bobagem. É isso que eu lamento sobre os politicamente corretos de plantão.

Bjokas querida! Parabéns pela reportagem! Vcs merecem! =)

Mirys + Guigo + Nina disse...

Parabéns pelo Estadão!!!! Ficando famosa, heim, mulher?!

Quanto às coleirinhas, nunca pensei em usar (apesar de estar viúva meeeeega nova... e ter que fazer tudo sozinha). Como tenho 2 mãos e 2 filhos, entendi que era assim que era pra ser, mesmo!

Mas, que eu ia ter um chilique máximo se um deles se perdesse, ah!... isso eu ia MESMO!

Então, melhor previnir, não é não?

Bjos. Mirys
www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

Nine disse...

Vixi, esse assunto tá rendendo!
Acho que no mundo tem sempre opinião para tudo e são os poucos os que sentem empatia, então é do ser humano condenar o diferente.

Gosto de discursos brandos, do tipo: bem, eu não uso, não quero/não preciso/não sei do que se trata/não posso comprar, mas se é bom para você, tudo bem!

Beijos,
Nine

Francisco disse...

Gata, eu tô contigo e não abro!

Quem critica não sabe a dificuldade que é sair com 3, 4 filhos. O que deforma mesmo a cabeça de uma criança, é má criação e pensamentos pequenos. O resto, é prosopopéia flácida para dormitar bovinos.

Se achar as mochilinhas, de conta onde foi?


Beijos!

Paula Duailibi Homor disse...

adorei o post! Eh isso ai! Adorei tb a expressão de alguém ai de cime "bullying materno". Gente, como as mães julgam umas as outras e atiram pedras...um horror!!! Vamos ser mais solidárias e RESPEITOSAS com a escolha de cada uma.

bjos

Paula Duailibi Homor disse...

adorei o post! Eh isso ai! Adorei tb a expressão de alguém ai de cime "bullying materno". Gente, como as mães julgam umas as outras e atiram pedras...um horror!!! Vamos ser mais solidárias e RESPEITOSAS com a escolha de cada uma.

bjos

Re disse...

Olha, vou te falar, ja conclui que em vias de ser mae, a gente reve muitos pre-conceitos ou com diz meu marido, passamos a cuspir pra cima e cair na testa. Tb achava um horror esse lance de mochilinha, coleirinha, etc...hj ja nao penso assim. Claro, nao usaria isso com um unico filho, mas no caso de ter outro, logo na sequencia...esse seria uma acessorio que possivelmente faria parte do enxoval! Bjs

Fanny Barbosa disse...

Eu não uso a tal mochilinha... porém eu só tenho um filho, mas ele já está acostumado a ir para colo qdo preciso utilizar as mãos, qdo o 2º nasçer também não vou usar a mochilinha, vou contratar uma babá para me ajudar, mas minha realidade é outra.
O que me deixou chocada com o uso da tal mochilinha foi uma mãe no supermercado com APENAS UM FILHO, dá um puxão nessas tal mochilinha no filho e ainda puxar a orelha da criança, e ele tinha uns 6 anos acho.
Por este motivo eu sou contra o uso.
E por favor respeitem minha opinião, não estou aqui para julgar ninguém, cada um sabe da sua vida e o modo como querem viver e educar o seu filho, mas já que a dona do blog abriu espaço, significa que ela permite meu comentário.

♥♥ Thata ♥♥ disse...

Eu já tinha visto as mochilinhas poucas vezes aqui no Brasil e minha reação foi "Nem pensar!". Aí qdo fui pra Disney no final do ano vi que era muito comum e o que eu fiz? COMPREI UMA! Está guardada do mesmo jeito que comprei pq o Dudu está aprendendo a andar agora.
Mas nunca se sabe né? Dudu é espoleta e ta lá, guardadinha, caso precise. Como foi baratinha ($8,95 na Target), nem vou ligar se eu nunca usar.

Bjs

Clau disse...

Quem condena o uso é pq não tem filhos, ou os teve a muiiiiitoooo tempo! Talvez os que tem a sorte de ter um pequeno calmo, que fica quieto e só anda do lado tb achem estranho. Mas pra quem tem uma pimentinha em casa - e falo de temperamento, não tem nada a ver com educação - a "coleirinha" é uma bênção! Confesso que só não tenho pq quando precisei não achei pra comprar!!!

Rita Romano disse...

Camila!! Parabéns!! Adorei ver vcs no estadão!!
beijão, Rita

Ana Carolina disse...

Muito engraçado encontrar esse post aqui hj, pois ainda pouco minha irmã de 8 anos falou assim: Vc sabia que lá nos EUA as crianças usam coleira? Vc não vai colocar no seu filho não, né? rsrrs

Achei engraçado como ela falou e eu particularmente não gosto dessa idéia de colerinha disfarçada, mas como não sou mãe ainda, minha opinião... Mas entendo o dilema das mães que usam.

BJKS

quasemaepai.blogspot.com

Ananda Etges disse...

Ah Camila! Vi a matéria do Estadão e adorei! Queria te dar parabéns pela participação com o triozinho!

Beijos, Ananda.

http://projetodemae.wordpress.com/

Aretusa disse...

Então, também tive esse mesmo espanto quando vi na Disney há uns 20 anos - tinha também umas coleiras de cães invisíveis, você viu?
Esses dias, estava num shopping em BH, vi uma criança de uns 3 anos e sua mãe, a criança usava uma mochilinha fofa toda amarrada nela, era a coleirinha que a mãe segurava. É estranho. Mas o que veio na minha cabeça é que se a criança corresse com muita vontade, arrastava mãe e tudo. Ou então a mãe teria que segurar com força e isso machucaria a criança.
Bem, tem horas que bem que eu queria uma pra me ajudar com a Sophia, mas acho que não combina com a gente e nem é tão necessário, pois tenho minhas 2 mãos só pra ela!!
Beijocas!

Renata Resnitzky disse...

Ca, AMei a sua foto no Estadão. Vc tá virandro celebridade!!!! Muito legal MESMO!!!
Quanto a mochilinha eu concordo contigo. Cada um faz o que for melhor para sua familia. Se for necessário, por que NãO?
Eu sou do tipo que não tô nem aí para o que os outros falam. Alguém paga as minhas contas? Ah! Fala Sério!!!! aDOREI a polêmica! Parabens pelo sucesso!

Dany (Toka Brasil) disse...

Parabens pelo post.
Nao vejo mal nenhum em usar.
Vim deixar um beijo e desejar uma otima semana pra vc.
@tokabrasil
www.blogtokabrasil.blogspot.com

Anne disse...

Parece que eu escrevi!
Quando vi isso na Disney tb achei um absuro!
20 anos depois.... hahaha eu usaria!
Feio mesmo é perder o filho na muvuca!
Linda, lindos! No estadão!!!
bjo

Paty disse...

Eu comprei uma da Minnie para a Babi na Amazon, ela AMA!!!!! bjs

K∂riиє* Smith. disse...

Aqui na Europa, pelo menos na Irlanda é muito comum o uso desse acessório, que é criticado principalmente por quem não é mãe, me lembro inclusive de ser uma dessas pessoas... :D, hoje, não saio de casa sem ela, apesar da Chloe andar no carrinho ainda, quando ela resolve sair dele, coleira nela e tranquilidade para mim.

Livia, mãe da Carol disse...

Eu amei este post. A primeira vez que uma criança na coleira foi em um shopping no Rio. Ainda não era mãe e confesso: achei que aquilo a prova dos pais não tinham controle pelos filhos. O tempo passou, Carol nasceu e eu vim morar em NY. Aqui a coleirinha é super usada. Na época da nossa mudança íamos a muitos lugares cheios e Carol estava fazendo 2 anos. A fase estava difícil e eu comprei uma coleira para ela. Meu marido não achou muito legal na época, mas depois se acostumou. A verdade é que usei muito pouco pq logo a má fase passou e Carol ficou tranquila e clama, me fazendo poder dispensar a coleira. Agora ela já tem 4 anos e meio e n~~ao vejo necessidade do uso no meu dia a dia. MAs caso eu tivesse mais filhos usaria sem pensar duas vzs, Camila. E atualmente não vejo NENHUM problema mesmo! Bjs!

brenditz disse...

Eu sou totalmente a favor das mochilinhas. Tenho pavor de perder meus filhos. E já até falei que as mochilinhas pra mim são prova de amor, de preocupação!
Gosto muito do seu blog!
Bjus
Brenda

Jorge Castanheira disse...

Todos que fazem "alpinismo", tem, por obrigação moral, que saírem no mínimo em dupla e todos amarrados ("encoleirados") uns aos outros, para suas seguranças física e emocionais. Estas amarras são para segurança da criança, quanto às fugas e sequestros das crianças. A própria criança depois do costume em estar encoleirada tem a sensação de segurança maior, do que a de um adulto, quando acostumado, se amarra pelo cinto de segurança veicular.

 
Licença Creative Commons
O trabalho Mamãe Tá Ocupada!!! foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em www.mamaetaocupada.com.br.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em www.mamaetaocupada.com.br. Paperblog :Os melhores artigos dos blogs